Despedida

Wallace – Lala*
 
 
Sua figura faz-nos pensar na onipresença e na onisciência de Deus, pelos muitos
atributos pessoais dirigidos para o bem e pelas grandes virtudes que lhe
ornamentavam a aura.  A vida desse ser humano singular era fonte inesgotável 
de bondade, de luz, e de sabedoria. Bondade que estava em suas células e 
em suas ações, luz que nascia de espírito superior, e sabedoria que se 
acumulava. Bondade, luz e sabedoria, tão grandiosas em corpo tão frágil.
 
Quantas vezes ao chegar de Natal, fiquei até altas horas ao lado 
de Zezeco e Lala na esquina para desfrutar da nossa amizade. 
Quanta ternura reencontrada, quantos novos acenos e expressões do
pensamento?  Quantos conselhos, abraços fraternos, sorrisos que transmitiam 
empatia e amizade, quantas alegrias despertadas ou refeitas?
Bendita a nossa querida Ouro Branco que teve Zezeco e Lala entre seus filhos, 
e felizes somos nós por podermos usufruir das benesses que fluíam 
do seu convívio.
 
AGNALDO DANTAS
AMIGO
 
*Texto/depoimento ao amigo Lala, filho do também amigo (pai) Zezeco.

Comentários