Justiça bloqueia Mercedes, Lamborghines, Maserati, Ferraris e R$ 479 mi da BBOM


BBOM-pra-cima

A Justiça Federal em São Paulo decretou o sequestro de 49 veículos da empresa Embrasystem, que opera no mercado multimídia e é investigada por suposta criação de uma pirâmide financeira por meio da BBom, seu braço de venda direta.

A decisão é do juiz Marcelo Costenaro Cavali, da 6.ª Vara Criminal Federal, que acolheu pedido da Procuradoria da República.

A frota confiscada inclui 26 carros de luxo, sendo 17 Mercedes Benz, 4 Lamborghines, uma Maserati, 3 Ferraris e um Rolls Royce Ghost que, segundo a Polícia Federal, está avaliado em R$ 3,5 milhões.

Segundo a Polícia Federal, a Embrasystem opera publicamente com venda de rastreadores de veículos. Mas o equipamento seria usado para arrecadar recursos e atrair novos clientes.

O juiz ordenou o confisco porque a PF está encontrando dificuldades em localizar a frota que integraria o patrimônio da Embrasystem. Os carros poderão servir de garantia para eventual ressarcimento de danos a investidores e à União.

Cavali também mandou bloquear R$ 479 milhões em contas bancárias de dirigentes da empresa e de pessoas que investiram na pirâmide – desse montante, R$ 18,5 milhões já foram efetivamente congelados.

A estimativa da PF é que pelo menos 200 mil investidores fazem parte da pirâmide. Em julho, a Justiça Federal em Goiânia já embargou R$ 315 milhões da Embrasystem em decisão de âmbito cível.

A investigação da PF pode resultar em acusação formal contra os sócios da Embrasystem por lavagem de dinheiro e violação aos artigos 5.º (desvio de valores) e 16 (operar instituição financeira sem autorização do Banco Central) da Lei 7492/86 (Lei dos crimes contra o sistema financeiro).

Em seu site, a Embrasystem se declara “uma empresa brasileira que atua no mercado há mais de 17 anos, detentora de várias linhas de negócios, sempre buscando a expansão contínua em todos os segmentos, para oferecer aos seus clientes uma extensa variedade de produtos e serviços com qualidade aprovada e certificada”.

Sua missão, informa o site, é “ser reconhecida como uma empresa de excelência, por oferecer produtos e serviços de alta qualidade, em todos os seus segmentos, expandindo nos mercados de atuação, com o compromisso de aperfeiçoamento contínuo”.

A Embrasystem afirma que atua “em diversas linhas de negócios, oferecendo à sociedade um portfólio de produtos e serviços líderes em seus segmentos, com estrutura de vendas e distribuição de abrangência nacional para suprir as necessidades dos clientes”.

A empresa diz que seus valores são “transparência, satisfação, ética, lealdade, responsabilidade, confiança, respeito”.

Em nota sobre as investigações a que vem sendo submetida, endereçada aos “senhores divulgadores”, a Embrasystem diz que está “confiante no desenrolar da situação que envolve a empresa BBom com a Justiça brasileira”.

“Por mais que esperamos que se resolva, a cada dia que passa fica mais complicado, pois quem vive marketing multinível sabe que tem que matar um leão a cada dia para sobreviver em um meio que ficou tão injustiçado pelo poder brasileiro”, diz o texto.

A Embrasystem se diz “um grupo forte e batalhador”. Ela colocou em seu site certidão de “nada consta” contra a empresa, expedida pelo Tribunal Regional Federal da 1.ª Região, em Brasília.

Comentários