Até 2017 Paraíba terá três parques eólicos, todos no Vale do Sabugi

Estamos numa época em que toda a sociedade está voltada para discussões e ações que preservem o meio ambiente e reduzam os impactos ambientais.
Neste contexto, entidades e empresas tem abraçado a causa e por isso estão buscando apoiar iniciativas e empreendimentos que permitam alcançar resultados favoráveis no tocante aos cuidados ambientais.
Um exemplo disso é a implantação de um complexo composto por três Parques Eólicos na Paraíba, nos municípios de Santa Luzia, São José de Sabugi e Junco do Seridó, denominados Canoas, Lagoa 1 e Lagoa 2, com um total de 45 aerogeradores e potência instalada total de 94,5 MW.
As obras estão sendo executada pela empresa Força Eólica do Brasil, com o apoio do Sistema Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (FIEP) através do Departamento Regional do SENAI da Paraíba em Rede Nacional com o Departamento Regional do SENAI da Bahia.
O atendimento através da Rede SENAI de Meio Ambiente entre os Departamentos Regionais dos Estados da Paraíba e Bahia, tem como objetivo elaborar e executar o Programa de Comunicação Social, um dos fatores primordiais para a implantação e operacionalização dos parques eólicos.
Este atendimento em rede possibilita a expansão da atuação do SENAI e aos Departamentos Regionais de contribuírem com a indústria ofertando serviços em que eles têm expertise e, por isso, são reconhecidos como referência nacional.
Para o SENAI/PB esta é a oportunidade de contribuir para o desenvolvimento do Estado participando efetivamente do processo dos Parques Eólicos como uma das entidades prestadoras de serviços do empreendimento que, sem dúvida, terá repercussão nacional depois de concluído.
O Programa de Comunicação Social que está sendo elaborado em Rede Nacional pelo SENAI da Paraíba e Bahia tem a finalidade de ser um canal de comunicação entre os stakeholders e a empresa Força Eólica do Brasil, visando transmitir as informações relacionadas ao empreendimento para a sociedade e, ao mesmo tempo, servir como mecanismo de ouvidoria para a comunidade local onde ocorrerão as execuções das obras dos parques eólicos na Paraíba.
 Sertão1

Comentários