Paraibano utiliza informação privilegiada para avisar amigos sobre operação policial em Ouro Branco.


Vazou um áudio no WhatsApp nesta sexta-feira (26), de um paraibano que se utilizou de informações privilegiadas para avisar amigos sobre uma operação policial na cidade de Ouro Branco-RN. 

Segundo informações chegadas ao blog, o áudio seria do paraibano, residente em Ouro Branco, Aroldo Simplício.

A informação rodou os grupos de WhatsApp e provocou temor em vários motoqueiros que planejavam participar de uma carreata no dia em que seria realizada a suposta blitz em Ouro Branco.

Há quem diga que o áudio foi enviado intencionalmente nas redes sociais para prejudicar a mobilização política que seria realizada no dia seguinte. Outros acreditam que a intenção do homem era se utilizar de informações privilegiadas, junto a polícia local, para avisar amigos de sua cidade natal sobre a operação policial.

Segue um trecho do áudio:

"Fala para a galera de São José ai, amigo seu ai, para passar para os meninos de moto ai, que amanhã vai ter uma fiscalização aqui, a partir das 5 horas da tarde, a moto que for pego sem retrovisor, com cano arrombado, desemplacada e sem habilitação vai ser recolhida para Natal. É um mandado da promotoria. Eu falando aqui com o sargento, o sargento do destacamento, ele disse: avise ai aos amigos ai, que amanhã é uma equipe de fora, vai ser duas viaturas do transito  fiscalizando. Passe ai para a galera ai, que amanhã o cocô é seco aqui".

No sábado(27) a blitz foi realizada assim como fora divulgada um dia antes pelo homem que se utilizou de informações privilegiadas para avisar as pessoas sobre a operação policial. O polêmico áudio viralizou rapidamente e o assunto é o mais comentado nas rodas de conversa da cidade.

Recentemente foi discutido na Câmara dos Deputados um projeto de lei que busca proibir o compartilhamento de informações sobre localização de blitz de fiscalização no trânsito. A proposta pretende aplicar multa de até R$ 50 mil para quem produzir sites, aplicativos e perfis nas redes sociais com o intuito de divulgar informações a respeito de fiscalização de trânsito.

É importante destacar que quando você informa o ponto de blitz não está só informando à pessoas de bem, mas pode estar avisando alguém que está portando uma arma ilegal, drogas, enfim, um criminoso.

Quando se avisa de uma blitz, se presta um desserviço à população. E utilizar as redes sociais para esse fim é crime previsto em lei. Quem avisar sobre blitz pode ser enquadrado por atentado contra a segurança ou ao funcionamento de serviços de utilidade pública. O crime está previsto no artigo 265 do Código Penal. 

Ouça áudio na íntegra
  

Comentários