Turista brasileiro quebra estátua do século XVIII ao fazer selfie em museu português


Um turista brasileiro, de visita ao Museu de Arte Antiga de Lisboa, quebrou uma estátua datada do século XVIII ao tirar uma selfie ao lado da obra. Os responsáveis pelo centro cultural e o Ministério da Cultura português garantem que os danos são reversíveis e que a obra, feita em madeira, passará por restauro.

Em entrevista ao jornal "Público", o diretor-adjunto do museu, José Alberto Carvalho, disse que “os danos são recuperáveis” e que “o corpo central do Arcanjo São Miguel não sofreu danos aparentes”. “Há várias zonas com fraturas”, explicou. A base ficou inteira, mas as asas, uma parte do manto e um dos braços quebraram. A obra tem quase dois metros de altura, é de autor desconhecido, mas foi realizada numa oficina lisboeta. 

Em nota, o Ministério da Cultura português se manifestou: "a Direcção Geral do Património Cultural avaliará em detalhe os danos e a necessidade de alterar a musealização da exposição, que foi inaugurada este Verão, por forma a prevenir acidentes", disseram os oficiais, explicando o acidente. "O acidente ocorreu quando o visitante, estando a fotografar uma outra obra, recuou sem olhar, não parou apesar dos alertas do vigilante, e foi contra a peça que se encontrava em cima de um plinto".

O brasileiro, que não foi identificado, foi amparado pelos oficiais. "Os primeiros relatos indicam que se trata de um acidente e todos sabemos que os acidentes acontecem", disse Teresa Bizarro, assessora do ministro da Cultura.

O Globo

Comentários