Márcia Maia relata pânico da população com insegurança no RN e pede providências

 

“A situação da insegurança no Estado está tão crítica que o cidadão está com medo de sair de casa”. Foi a partir desta afirmação que a deputada Márcia Maia (PSDB) desenvolveu pronunciamento no plenário da Assembleia Legislativa, na sessão ordinária desta terça-feira (14), quando mais uma vez solicitou providências para a solução dos problemas do setor de segurança pública e do sistema prisional.
“O problema da violência está crescendo cada vez mais em Natal e no interior do Estado. Ela tomou conta da vida do cidadão e o que mais assusta é não se saber que futuro nos espera. As notícias de assassinato, assaltos a luz do dia e outros crimes estão se multiplicando”, asseverou a deputada.

Márcia disse que, de acordo com dados do Sindicato da Polícia Civil (SINPOL) até o dia 13 de março foram registrados 487 assassinatos, o que dá uma média de quase sete por dia, representando aumento de 26% em relação ao ano passado.

“Há 10 anos, Natal era considerada a capital mais segura do País. Era uma época que a tolerância com a violência era quase zero. As políticas sociais geravam emprego e renda e aqueles que escolhessem o pior caminho, a Polícia estava a postos para agir. Hoje, Natal é a mais violenta do País.” Afirmou Márcia, acrescentando que o Carnaval deste ano no Estado foi o mais violento da época, com 44 pessoas assassinadas.

De acordo com a deputada, a violência está influenciando n a economia do Estado, com o registro de fechamento de algumas lojas comerciais, destruição de ônibus do sistema de transporte coletivo e a fragilização do Turismo, uma atividade importante para a economia do Rio Grande do Norte.

“O cidadão comum está amedrontado e a Polícia está sendo atingida de forma absurda com assassinato de policiais. É preciso uma reação do Governo. As pessoas pedem para que a gente denuncie e solicite as providências. É preciso acabar com essa onda de medo e terror no Rio Grande do Norte. O sistema penitenciário do jeito que está repercute aqui e lá fora”, reforçou a deputada.

Em aparte, o deputado Nelter Queiroz (PMDB) lembrou que tudo isso passa pela necessidade de recursos financeiros e a situação do Estado não é boa. Segundo ele a discussão tem que ser feita de baixo para cima e de cima para baixo.

“Se não houver uma modificação na relação de repasse de recursos para que o Estado tenha dinheiro, não será possível resolver o problema. O Tribunal de Justiça recebe R$ 70 milhões por mês e gasta apenas R$ 50 milhões, sobrando R$ 20 milhões. Isso é que tem que ser discutido. Não há dinheiro para tudo. A segurança nos outros estados está pior do que aqui”, afirmou Nélter.  

Márcia também foi aparteada pelo deputado Dison Lisboa (PSD). Ele registrou que foram devolvidos recursos que vinham para a Segurança em outros governos. “A violência aumentou em todo o País. O crime organizado é uma coisa séria, que comanda as ações criminosas de dentro dos presídios. O ano passado o Governo aplicou 100% dos recursos que vieram. O Governo vetou o percentual do repasse dos duodécimos e esta Casa derrubou os vetos”, disse Dison.

A última a apartear Márcia Maia foi a deputada Larissa Rosado (PSB), que registrou a chacina no último domingo (12) em Mossoró, onde 5 jovens foram brutalmente assassinados. “Em Mossoró, já são 50 homicídios até o dia 13 de março”, concluiu Larissa.

Comentários