Rogério Marinho faz duras críticas aos sindicalistas

 Foto: Divulgação

No início da manhã desta segunda-feira, 24, diversos sindicalistas foram até a frente do prédio onde mora o deputado federal Rogério Marinho (PSDB), relator da reforma – ou ‘modernização’ –  das leis trabalhistas na Câmara dos Deputados (PL 6.787/16), para protestar contra os avanços da proposta, liderada pelo governo do peemedebista Michel Temer, atual presidente da República.

Como forma de resposta, o deputado emitiu comunicado através da sua assessoria de imprensa e rebateu a manifestação sindical. “Eu espero que (agora) façam manifestações em locais adequados e que, das próximas vezes, os sindicalistas acordem mais cedo, pois saí para cumprir compromissos às 7h. Eles só chegaram às 9h. Talvez, não tenham costume de acordar cedo para trabalhar”, ironizou Rogério.

Em seguida, o parlamentar potiguar sugeriu que os sindicalistas estão protestando apenas pelo fato de uma das propostas presentes na reforma ser a da não-obrigatoriedade do repasse de verbas pelo trabalhador aos sindicatos de suas profissões (algo que atualmente é descontado direto no contra-cheque de cada um deles), reafirmando que não recuará neste ponto.

“Eu não tenho como resolver a verdadeira preocupação deles em relação a modernização das leis trabalhistas. Eles não querem perder a boquinha do imposto sindical obrigatório. É minha posição e já está tomada. O fim da obrigatoriedade do imposto será apresentado junto ao relatório das novas leis do trabalho”, avisou Marinho.

O deputado, ao longo de sua declaração, ainda criticou a maneira como os sindicalistas optaram pela realização da manifestação. “Toda manifestação é desejável desde que respeite os direitos de cada cidadão. Fazer protestos em frente a um condomínio prejudica a todos que moram lá e até a vizinhança”, completou.

Comentários