Cláudio Santos acusa promotores de abuso de autoridade

Desembargador potiguar rebate as acusações do MP/RN que considera vagas

O desembargador Cláudio Santos reagiu à citação de seu nome na divulgação da Operação Dama de Espadas, se dizendo estupefato com as circunstâncias trazidas a público na última quarta-feira (03). “Lamentos que alguns integrantes do Ministério Público Estadual tenham colocado pontualmente o trecho da delação mencionada, na Denúncia contra terceiros, citando meu nome, em completa usurpação de competência e eventual abuso de autoridade, além de desnecessária, fato que não se coaduna com a estrita obediência à lei por parte dessa instituição, pois todos devem primar pelo respeito à honra das pessoas”, diz trecho do documento.

“Eu vim saber dessa situação que durante algum período continuou saindo esses dois pagamentos dela [Mariana Morgana, filha de Gutson], tanto da Assembleia como o do Tribunal, o do Tribunal de Contas ela repassava pro deputado Ricardo Mota, a Morgana, e ficaria com o da Assembleia e esse desembargador ficou com esse outro valor desse da Assembleia”, disse o delator, que, apesar da colaboração, não conseguiu negociar imunidade para sua filha, que foi denunciada por peculato. “Quanto a eventual irregularidade por troca de nomeações no TJ e na AL, informo que a minha filha, que trabalha na AL, foi nomeada no dia 12/03/02013, portanto 02 anos após a nomeação da Sra. Mariana Morgana, fato para o qual absolutamente não diligenciei, conforme documentos públicos em meu poder”, rebate o desembargador Cláudio Santos.

Por Marcos Dantas

Comentários