Esquema de fraude em concursos captava 'clientes' em redes sociais e cursinhos, diz polícia na PB

  Suspeitos foram presos com ponto eletrônico durante prova do concurso do MPRN (Foto: Lucas Sá/DDF João Pessoa)

Os “clientes” da quadrilha suspeita de fraudar pelo menos 60 concursos públicos em seis estados do Nordeste eram contatados principalmente em cursinhos e por meio redes sociais, segundo informou o delegado de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa, Lucas Sá, nesta segunda-feira (8). O grupo cobrava até R$ 150 mil por 'kit completo' de aprovação em concursos e mais de 500 aprovados pagaram R$ 18 milhões à quadrilha, em 6 estados do Nordeste. O esquema foi desarticulado pela Operação Gabarito. 

O esquema foi desarticulado pela Polícia Civil da Paraíba no domingo (7). Segundo a polícia, 19 pessoas foram presas, entre elas dois irmãos em um condomínio de luxo, apontados como líderes do grupo e já aprovados em 29 concursos. Outros envolvidos foram presos durante um concurso do Ministério Público do Rio Grande do Norte. 

“São muitas as maneiras, mas as principais são pelo Facebook, WhatsApp e indicação de pessoas de cursinhos. Vários desses professores [presos] são professores de cursinho. Então eles acabam indicando a organização para os alunos desses cursos e fazendo a proposta de ingressar no esquema fraudulento”, disse o delegado. 

O delegado afirma que as fraudes começaram em 2005, em concursos na Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Rio Grande do Norte, Sergipe e Piauí. “Tomando como base o menor valor informado até o momento, podemos concluir que, no mínimo, a organização consegue obter a quantia de R$ 300 mil por concurso". 

Muitos dos "clientes" procuravam o esquema por meio de indicações de amigos. Mas também havia casos em que os integrantes do esquema entravam em contato com pessoas que estavam em grupos de concursos e cursinhos em redes sociais, que eram "clientes" em potencial, para fazer a proposta, segundo o titular da DDF. 

Lucas Sá informou que, entre os documentos, também foram apreendidos gabaritos e provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016. A Polícia Civil ainda vai investigar se também houve fraude no exame. 

G1

Comentários